Related »

O Liberal – PA – Renctas orienta para evitar tráfico de animais no país

on June 28 | in FIQUE POR DENTRO, Renctas na Mídia | by | with No Comments

A Amazônia continua sendo uma das regiões brasileiras de onde sai o maior número de animais silvestres para o tráfico internacional de animais. Entre os anos de 1999 e 2000, 31% dos animais capturados em território brasileiro e vendidos em diversos países do mundo foram retirados das matas dos Estados do Pará, Amazonas, Acre, Roraima, Rondônia e Amapá rumo, na maioria dos casos, aos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e países como Estados Unidos, Cingapura, Bélgica, Espanha, França, entre outros. Ao todo, foram retirados do Brasil 263.972 animais, sendo 82 mil da região Norte.

Os dados são resultado do Primeiro relatório Nacional sobre o Tráfico da Fauna Silvestre, lançado pela Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas). Segundo a entidade, o tráfico já é a terceira maior atividade ilegal do mundo, movimentando anualmente no Brasil US$ 1,5 milhão. Em geral, os animais são comercializados para colecionadores e zoológicos, para fins científicos, para retirada de partes para confecção de adornos, remédios caseiros e preparados populares.

Para debater o assunto, ontem e hoje, a Renctas promove em Belém um workshop nacional sobre normatização e controle do tráfico de animais silvestres. Além de estudantes, participam do evento policiais do Batalhão de Meio Ambiente, técnicos do Ibama e de outras instituições que atuam no combate e prevenção do tráfico.

Ontem, o coordenador geral da Renctas, Giovanini, disse que o maior responsável pelo tráfico ainda é a população, que continua comprando animais vivos ou parte deles para simpatias ou devido a supertições.

“A sociedade ainda não encara isso como um crime que causa um grande dano. A gente tem que perder a cultura de achar que os animais silvestres são uma mercadoria, que podem ser comercializados. Os animais são patrimônio da União e toda vez que alguém entra na mata para pagar um animal para levar para fora do Brasil, quem está perdendo é o País. Depois, muitas substâncias retiradas desses animais acabam voltando para cá em forma de remédio, e a gente paga caro por isso”, disse Dener.

Durante o workshop, os policiais e agentes envolvidos serão treinados e capacitados para as ações de combate e repressão ao tráfico. Haverá palestras e debates sobre legislação, tráfico internacional, ações do Ibama, o papel da universidade na questão e a atuação da Imprensa. Dener lembrou ainda que o crime pode ser denunciado pela Linha Verde do Ibama, o 0800-61-80-80, ou pelo site da Renctas: www.renctas.org.br.

Pin It

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

« »

Scroll to top