Related »

Falta de habitat leva animais silvestres à zona urbana de Uberlândia, MG

on julho 4 | em Fauna na Mídia, FIQUE POR DENTRO | by | with No Comments

Segundo PM, em 2015 foram feitas 414 capturas e em 2016 mais de 249.
Veterinário diz que algumas espécies do cerrado estão em extinção.

04/07/2016 – 08h58, atualizado às 09h54
Lais Vieira, do G1 – Triângulo Mineiro

 

Tamanduá-mirim capturado no jardim da TV Integração em Uberlândia. Foto: Vanessa Pires/G1

Tamanduá-mirim capturado no jardim da TV Integração em Uberlândia.
Foto: Vanessa Pires/G1

 

Sussuarana apreendida pela PMMA na zona rural do distrito de Cruzeiro dos Peixotos, em Uberlândia. Foto: Polícia Militar de Meio Ambiente/Divulgação

Sussuarana apreendida pela PMMA na zona rural do distrito de Cruzeiro dos Peixotos, em Uberlândia.
Foto: Polícia Militar de Meio Ambiente/Divulgação

 

Ouriço-cacheiro foi capturado pelo Corpo de Bombeiros. Foto: Polícia Militar de Meio Ambiente/Divulgação

Ouriço-cacheiro foi capturado pelo Corpo de Bombeiros.
Foto: Polícia Militar de Meio Ambiente/Divulgação

 

Ave da espécie Jandaia estava em uma via pública. Foto: Polícia Militar Ambiental/Divulgação

Ave da espécie Jandaia estava em uma via pública.
Foto: Polícia Militar Ambiental/Divulgação

 

A intervenção e a ocupação humana na zona rural, aliadas à expansão da agricultura e pecuária, afetam diretamente a biodiversidade, segundo o Ministério do Meio Ambiente.

Tais ações têm reflexos em cidades como Uberlândia, que tem como característica o Cerrado.

De acordo com a Polícia Militar de Meio Ambiente, no município, diariamente, animais silvestres são recolhidos na zona urbana e apreendidos de cativeiros. Conforme os registros, em 2015 foram recolhidos 414 animais em Uberlândia, entre aves, mamíferos e répteis. Até junho de 2016 foram recolhidos 249 animais.

Em relação à apreensão de animais em cativeiros, a PMMA informou que no ano de 2015, cerca de 444 animais, entre aves, mamíferos e répteis, foram capturados pelos militares. Já no primeiro semestre de 2016, foram 49 animais.

Segundo o veterinário André Luiz Quagliatto, coordenador do Laboratório de Ensino em Animais Silvestres (Lapas) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), isso é reflexo principalmente da falta de alimentos nos ambientes naturais.

Ele aponta que o cerrado é o bioma que tem a maior diversidade animal, mas várias espécies emblemáticas como o tamanduá-bandeira e o lobo-guará estão extremamente ameaçadas de extinção. “Uma das causas disso, é a falta de suporte que os animais passam nos ambientes em que vivem, devido ao avanço das fronteiras agrícolas agropecuárias”, afirmou.

Para o ambientalista Eduardo Bevilaqua, a escassez de área de vegetação nativa e preservação permanente faz com que os animais acabem saindo de seus ambientes naturais em busca de alimento e abrigo.

Nos últimos meses, por exemplo, o G1 mostrou o resgate de um ouriço-cacheiro, uma capivara no Bairro Roosevelt, um tamanduá-bandeira em quintal de uma casa, além de uma raposa, um ouriço e uma ave jandaia. Um vídeo também foi feito mostrando o trabalho da polícia durante a captura de tamanduá-mirim na TV Integração.

Em casos assim, a PMMA é acionada juntamente à equipe do Lapas para fazer o resgate e, posteriormente, devolver o animal à seu ambiente natural.

Conforme Quagliatto, um ponto importante a ser discutido a respeito do tema é o processo de extinção de algumas espécies de pequeno porte, principalmente invertebrados que fazem parte da alimentação de animais de grande porte, como por exemplo, do tamanduá-bandeira e do tamanduá-mirim. Esse processo de extinção que é causado principalmente por desmatamentos e queimadas, prejudica a cadeia de sustentabilidade da vida do cerrado.

“A gente perde essa população toda de invertebrados que são a base da cadeia alimentar de sustentação desses animais. O que eles vão fazer sem alimento ali? Vão migrar para outros lugares. Existe uma cadeia alimentar e uma cadeia de sustentação dessa fauna toda silvestre do cerrado e a gente tem que observar isso”, explicou.

Possível solução

Ainda de acordo com o veterinário Quagliatto, na tentativa de recuperar parte da fauna do cerrado, algumas iniciativas de preservação e de recomposição são feitas, como por exemplo, a recuperação da mata ciliar ao longo dos cursos d’água, que segundo o veterinário, são importantes para que a fauna volte aos ambientes naturais.

“Na natureza existe um fenômeno muito interessante, desde que algumas matérias não estejam extintas e desaparece definitivamente, você recompõe e retorna a ocupação Desse ambiente, não aquele original”, disse Quagliatto.

O ambientalista Bevilaqua também explica que a criação de corredores ecológicos como formas de conexão entre reservas, ajudaria na preservação deste animais no ambiente natural. Ele diz ainda que áreas de preservação permanentes também podem atuar nesse sentido.

CLIQUE AQUI  para notícia original.

 

Pin It

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

FACEBOOK

APOIADORES

Avina

CRT

Itapemirim

Juniclair

Wise
Scroll to top