Related »

Lagartos em Fernando de Noronha superam a população da China por km²

on abril 9 | em Fauna na Mídia | by | with No Comments

Teiú pode ser encontrado em quase todo o Brasil, mas tem efeitos nocivos na ilha — Foto: Rudimar Narciso Cipriani

Teiú pode ser encontrado em quase todo o Brasil, mas tem efeitos nocivos na ilha — Foto: Rudimar Narciso Cipriani

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No início do século 16, gatos e teiús aportaram no arquipélago de Fernando de Noronha (PE) vindos da Europa. O objetivo em trazê-los era “povoar” o local com animais de estimação e espécies exóticas que pudessem interagir com a fauna local. Mais de 400 anos depois desse movimento, outras populações sentem o impacto da inserção.

Acredita-se que, por conta do isolamento das ilhas, as espécies nativas desses locais são naturalmente mais frágeis e muito menos adaptadas a predadores. Isso favoreceu, no caso de Fernando de Noronha, uma superpopulação dos animais introduzidos.

Carcaças de aves são demonstração do hábito voraz das espécies — Foto: Ricardo Augusto Dias/Acervo Pessoal

Carcaças de aves são demonstração do hábito voraz das espécies — Foto: Ricardo Augusto Dias/Acervo Pessoal

Dados recentes indicaram que os lagartos teiús lideram o “ranking populacional”. São aproximadamente 9.500 indivíduos para os 26 km² do arquipélago. O volume assusta: enquanto a China apresenta a densidade de 145 pessoas/km², Fernando de Noronha tem uma população de 365 lagartos/km².

Com doutorado em modelagem ecológica e manejo de espécies invasoras em ilhas, a bióloga Tatiane Micheletti detectou que esse montante de lagartos pode estar gerando consequências à fauna. Ela explica que já existem indícios de que os teiús podem ameaçar a vida das tartarugas-verdes (Chelonia midas) e do mabuia, o lagarto de Noronha.

Tartaruga-verde é ameaçada através da predação de seus ovos pelos lagartos — Foto: Dirceu Martins / TG

Tartaruga-verde é ameaçada através da predação de seus ovos pelos lagartos — Foto: Dirceu Martins / TG

Realidade semelhante ocorre com os gatos. Pesquisadores do Instituto Brasileiro para Medicina da Conservação (Tríade), da Universidade de São Paulo (USP) e do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Répteis e Anfíbios (RAN), estimaram a população em 1,3 mil indivíduos, uma densidade de 50 gatos/km².

Micheletti conta que, no caso do acúmulo de gatos, o descuido dos proprietários, o instinto de autossuficiência da espécie e a alta capacidade reprodutiva os tornaram ferais. Quando soltos na natureza, deixaram de ser animais domesticáveis e passaram ao status de selvagens.

Gato devora Mabuia, espécie de lagarto endêmica de Fernando de Noronha — Foto: Clemente Coelho Jr/Acervo Pessoal

Gato devora Mabuia, espécie de lagarto endêmica de Fernando de Noronha — Foto: Clemente Coelho Jr/Acervo Pessoal

Junto a uma equipe composta por pesquisadores, veterinários e professores, a bióloga está envolvida em um projeto que prevê o manejo das espécies invasoras para retomada gradual da biodiversidade do arquipélago. “Com o programa, estamos confirmando suspeitas antigas de que as populações de mabuias e aves marinhas vêm diminuindo no arquipélago e que gatos, ratos e teiús são grandes responsáveis por isso”, explica ela.

Buscando a erradicação de espécies nocivas, castração de outras e a devolução, quando possível, ao continente, espera-se que a retomada das populações descritas seja obtida em médio ou longo prazo. “Não me surpreenderia, também, se houvesse uma recuperação de corais e peixes ao redor da ilha, como já foi demonstrado em outros lugares”, prevê Micheletti.

Após estudo e observação, campanhas de castração e posse responsável foram medidas do Programa — Foto: José Carlos Roble Jr/Acervo Pessoal

Após estudo e observação, campanhas de castração e posse responsável foram medidas do Programa — Foto: José Carlos Roble Jr/Acervo Pessoal

A curto prazo, uma conquista já foi alcançada: a conscientização dos ilhéus sobre o problema. Com a ciência cidadã, a população se tornou um agente mobilizado na proteção da diversidade do arquipélago.

Acredito que um dos principais resultados do programa é o programa em si. Esses tipos de parceria não têm muitos precedentes em países em desenvolvimento como o Brasil, mas são imprescindíveis para conseguir a conservação
— Tatiane Micheletti

Com doze anos de existência, o Programa de Manejo foi criado pelo Tríade e já conta com parcerias com o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (PARNAMAR) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

O Programa compreende as dinâmicas e simula cenários de manejo para as populações — Foto: James Russell/Acervo Pessoal

O Programa compreende as dinâmicas e simula cenários de manejo para as populações — Foto: James Russell/Acervo Pessoal

Introduzir espécies não é de hoje

Os grãos, os vegetais e a maioria dos animais de produção vistos hoje em terras brasileiras são originários de outros continentes. Foi através da introdução que o cultivo e a criação se expandiu para todo o mundo.

Até mesmo no arquipélago de Fernando de Noronha, outras espécies foram instaladas sem que gerassem prejuízos. Um exemplo disso é o roedor mocó (Kerodon rupestris), considerado apenas exótico por não gerar grande impacto negativo do ponto de vista social, ecológico ou financeiro para o local.

Descoberta do mocó como espécie exótica foi uma das vitórias do Projeto — Foto: Arquivo TG

Descoberta do mocó como espécie exótica foi uma das vitórias do Projeto — Foto: Arquivo TG

Enquanto alguns processos são positivos para estabelecer a diversidade, introduções como a do javali no Brasil geraram problemas. Originária do Norte da África e Eurásia, a espécie tornou-se devastadora e, além de predadora voraz, também foi descoberta como reservatório de doenças importantes.

Fonte: https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/terra-da-gente/noticia/2019/04/09/lagartos-em-fernando-de-noronha-superam-a-populacao-da-china-por-km.ghtml

Pin It

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

FACEBOOK

APOIADORES

Avina

CRT

Itapemirim

Juniclair

Wise
Scroll to top