Related »

Parque das Aves recebe mais de 120 pássaros resgatados de posse ilegal, tráfico e contrabando, no 1º semestre de 2019

on julho 28 | em Fauna na Mídia | by | with No Comments

De janeiro a junho de 2019, Parque das Aves recebeu mais de 120 pássaros resgatados de posse ilegal, tráfico e contrabando — Foto: Divulgação/Parque das Aves

De janeiro a junho de 2019, Parque das Aves recebeu mais de 120 pássaros resgatados de posse ilegal, tráfico e contrabando — Foto: Divulgação/Parque das Aves

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Animais chegam ao parque, muitas vezes, machucados e sem condições de serem devolvidos à natureza; no local, especialistas atuam na reabilitação.

O Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, na região oeste do Paraná, recebeu mais de 120 aves resgatadas de posse ilegal, tráfico e contrabando, nos primeiros seis meses de 2019. Muitas vezes, os animais chegam machucados e sem condições de serem devolvidos à natureza.

A veterinária e diretora técnica do parque, Paloma Bosso, conta que mais de 50% dos cerca de 1,5 mil animais que vivem no local são oriundos de situações de apreensão e resgate.

“É uma paixão muito grande da equipe, um senso de responsabilidade. As vezes, entre as aves, há espécies ameaçadas de extinção, que correm o risco de desaparecer da natureza e, de repente, estavam na casa de uma pessoa que não sabia nem como cuidar”, afirma.

Em maioria, as aves são resgatadas em operações da Polícia Ambiental, Polícia Federal e órgãos ambientais.

Animais chegam ao Parque das Aves machucados e sem condições de serem devolvidos à natureza — Foto: Divulgação/Parque das Aves

Animais chegam ao Parque das Aves machucados e sem condições de serem devolvidos à natureza — Foto: Divulgação/Parque das Aves.

Cuidados

Cerca de 250 colaboradores mantêm os atendimentos no parque. Uma equipe técnica, de aproximadamente 40 profissionais, se dedica diretamente aos cuidados com os animais.

Neste grupo, segundo a direção do parque, há médicos veterinários, biólogos, zootecnistas, tratadores, entre outros especialistas que garantem a recuperação adequada aos 1,5 mil pássaros que vivem no local.

A maior preocupação, segundo Paloma Bosso, é proporcionar condições para que as aves possam se recuperar dos traumas, ferimentos, em uma convivência harmoniosa.

“Esses bichos já sofreram tanto na vida que, quando chegam ali, é o momento de despertá-los para o máximo possível do que a espécie já desenvolveu para viver, da convivência com os outros animais. Um cuidado que eles nunca viveram”, ressalta.

Além do cuidado direto com os bichos, o Parque das Aves é aberto à visitação. Os profissionais desenvolvem ações de pesquisa, conservação, lazer e educação, que são apresentadas aos visitantes.

Anualmente, o local recebe, em média, 830 mil visitantes, sendo cerca de 30 mil alunos de grupos escolares. Os ingressos têm preços a partir de R$ 10, e são gratuitos para visitação de escolas da rede pública da região. As visitas escolares são feitas sob agendamento.

Profissionais de várias especialidades se dedicam a proporcionar condições de recuperação e convivência harmoniosa aos animais recuperados, no Parque das Aves — Foto: Divulgação/Parque das Aves

Profissionais de várias especialidades se dedicam a proporcionar condições de recuperação e convivência harmoniosa aos animais recuperados, no Parque das Aves — Foto: Divulgação/Parque das Aves

Operações contra o tráfico

Segundo dados da Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas), de cada 10 animais vítimas do tráfico, nove morrem antes mesmo de chegar ao destino final.

A diretora técnica do parque ressalta que a ação do tráfico ameaça a sobrevivência da biodiversidade da Mata Atlântica presente na região.

“Pelo fato de ser uma tríplice fronteira, as pessoas tendem a entender a região de Foz do Iguaçu como uma possibilidade mais fácil de destinar esses animais ilegalmente”, alerta.

A Polícia Ambiental, que atua diretamente em operações de combate ao tráfico de animais silvestres na cidade, ressalta a importância das denúncias e do trabalho de fiscalização.

“É uma incidência acima da média, se comparada a de outras regiões. Não só pela fronteira mas por existirem muitas espécies. Muitas das apreensões são resultantes de investigações após denúncias que chegam até nós”, afirma o tenente Bruno de Godoi.

Segundo especialista, muitas aves são resgatadas com ferimentos, vítimas de maus-tratos, e passam por recuperação no local — Foto: Divulgação/Parque das Aves

Segundo especialista, muitas aves são resgatadas com ferimentos, vítimas de maus-tratos, e passam por recuperação no local — Foto: Divulgação/Parque das Aves.

Denúncia

A diretora do parque comenta que existem inúmeras aves que podem ser domesticadas, mas é necessário que sejam compradas de criadouros autorizados. Os animais são vendidos com identificação e atestado de que são de procedência legal.

“Muitas vezes, a pessoa compra um animal vendido numa feira, vê o animal sofrendo e compra pensando que vai salvá-lo, melhorar a condição de vida dele, mas isso acaba, indiretamente incentivando o tráfico, mesmo que se tenha boa intenção. O traficante não se importa, o que ele queria fazer era vender a ave, e conseguiu”, comenta.

Ao presenciar qualquer ação de suspeita de tráfico ou venda ilegal de animais, segundo orientação da Polícia Ambiental e dos especialistas do parque, o cidadão deve, além de não adquirir o animal, entrar em contato com as autoridades ambientais e denunciar.

“Pode procurar os órgãos ambientais, a policia ambiental da sua região ou delegacias especializadas. Se identificar a oferta de venda de animais silvestres nas redes sociais, também denuncie. A forma de envolvimento da sociedade é através dessa participação”, concluiu Paloma Bosso.

Segundo especialista, compra de aves deve ser feita em criadouros autorizados, com autorização dos órgãos ambientais — Foto: Divulgação/Parque das Aves

Segundo especialista, compra de aves deve ser feita em criadouros autorizados, com autorização dos órgãos ambientais — Foto: Divulgação/Parque das Aves

Fonte: https://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/2019/07/27/parque-das-aves-recebe-mais-de-120-passaros-resgatados-de-posse-ilegal-trafico-e-contrabando-no-1o-semestre-de-2019.ghtml

Pin It

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

FACEBOOK

APOIADORES

Avina

CRT

Itapemirim

Juniclair

Wise
Scroll to top