Related »

Policiais do Batalhão Ambiental salvam 159 animais em 2017

on março 28 | em Fauna na Mídia, FIQUE POR DENTRO | by | with No Comments

70 animais resgatados foram devolvidos ao meio ambiente. Em 2016 foram registrados 851 resgates.

70 animais resgatados foram devolvidos ao meio ambiente. Em 2016 foram registrados 851 resgates. (Foto: Sesp/MT)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quinta-feira, 09 de fevereiro de 2017. Uma equipe do Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental (BPMPA) se deslocava até uma propriedade rural no município de Paranatinga (411 Km ao Norte de Cuiabá) para fazer o resgate de um filhote de onça parda. O animal foi encontrado em estado grave de desnutrição e foi trazido para cuidados em Cuiabá.

Dias antes, em 31 de janeiro, bem distante dali, a equipe do BPMPA também havia se deslocado para situação semelhante: o resgate de um filhote de onça pintada. O animal foi entregue aos policiais por uma pessoa que mora em uma zona rural do município de Querência (912 Km a Nordeste de Cuiabá).

O resgate dos dois felinos são apenas algumas dentre centenas de ocorrências atendidas pelo Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental em Mato Grosso.

Somente de 1º de janeiro a 19 de março deste ano, o batalhão realizou 159 resgates de animais. Desse total, 70 já foram devolvidos ao meio ambiente. Ainda nesse primeiro trimestre, a unidade confeccionou 532 boletins de ocorrência, 741 Autos de Inspeção, 91 Autos de Infração, 164 Termos de Apreensão, 65 de notificações e 44 de embargos e interdições.

No ano passado, a unidade resgatou quatro jaguatiricas, duas onças pardas e duas onças pintadas, entre os 851 resgates de animais realizados. Desse total de animais, 498 foram devolvidos ao meio ambiente.

O Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental atua desde o ano de 1983 em Mato Grosso, nas atividades de policiamento e fiscalização ambiental, na proteção da fauna, flora, recursos hídricos e florestais, das águas e mananciais, na repressão da poluição, caça e pesca ilegal, queimadas e desmatamento não autorizados.

O efetivo é de 200 policiais militares, distribuídos nas unidades de Cuiabá, Várzea Grande, Cáceres, Rondonópolis e Barra do Bugres, municípios que abrangem diversidades de rios, áreas do pantanal mato-grossense e áreas de fronteira propensa ao tráfico de animais silvestres.

A unidade realiza operações própria e em apoio a outros órgãos, como a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), além da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), por meio da Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema).

O comandante do batalhão, tenente-coronel PM Rodrigo Eduardo Costa, afirma que grande parte das ações da unidade é provocada por denúncias. “Mas realizamos também operações tanto terrestres como fluviais, e ações em apoio aos órgãos”, disse.

Onças, papagaios e macacos

Atualmente o BPMPA está com 123 animais que foram resgatados.

Araras, papagaios, baitacas, maracanás, periquitos, gaviões, falcão, coruja, graia azul, canário da terra, macaco prego, onças parda e pintada, e veado são algumas das espécies que estão em processo de recuperação no batalhão para posterior reintrodução ao meio ambiente.

Para realizar os primeiros cuidados a esses animais que, na maioria das vezes, são resgatados em condições de maus tratos, o batalhão conta com o Centro de Triagem de Animais Silvestres.

O responsável, 3º sargento PM Joelson de Paula, explica que quando o animal resgatado chega ao batalhão é recolhido no Centro de Triagem, onde é feita a observação do animal. “Se percebermos algum comportamento diferente do que o comum daquele animal, ele passa para o setor de patologia para verificar a origem daquela anormalidade”, disse.

Conforme o sargento, os animais chegam ao batalhão nas mais diversas situações, por isso passam por uma quarentena antes de entrar na unidade. “Ele pode vir com uma bactéria ou uma doença que pode comprometer os plantéis que já estão no batalhão. Por isso, eles passam por uma triagem e os primeiros cuidados para posterior reintrodução”, contou.

Os animais resgatados, na maioria das vezes, possuem sequelas permanentes. No Centro de Triagem é feito o primeiro atendimento e depois são encaminhados aos hospitais veterinários da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) ou Universidade de Cuiabá (Unic).

As espécies de animais resgatados variam de acordo com o período do ano. Em período chuvoso, são mais comuns os resgates de serpentes, marsupiais e mamíferos. Já entre setembro e outubro, são mais frequentes os resgates de aves, que estão em fase de procriação, como as araras, papagaios, periquitos, que são os alvos mais escolhidos pelos traficantes.

“Uma vez que o batalhão intensifica a fiscalização, tanto nas rodovias quanto em barreiras policiais, aumenta a quantidade de apreensão desses animais em contrabando”, disse.

Animais por sedex

O sargento ressaltou ainda a nova modalidade de tráfico de animais silvestres, que é feito por meio dos Correios. “Esse ano já fizemos três apreensões que foram acionadas diretamente pelos Correios, por meio de Sedex. São animais exóticos, como serpentes e aracnídeos”, falou.

O batalhão não atende apenas casos de resgate de animais que seriam traficados, mas também de entrega voluntária. “Muitas vezes, a pessoa pega um animal pela beleza, mas não conhece o comportamento desse animal. Quando ele é filhote, é mais tranquilo. Quando começa a crescer e desenvolver o seu instinto natural da espécie, ele deixa de ser agradável e, nesse momento, o que acontece é a entrega voluntária”.

Segundo o sargento, hoje o contrabando de animais silvestres no Brasil está em terceiro lugar entre as modalidades mais rentáveis de crime, ficando atrás apenas do tráfico de drogas e de armas.

“Mato Grosso está na área central do País, e por isso temos várias saídas, várias rotas de fuga para o tráfico, e todos os dias estamos combatendo esse crime. Diariamente, temos animais trazidos para o batalhão, que são resgatados não somente por nós, mas também por outras instituições”, contou.

Fonte: http://circuitomt.com.br/editorias/cidades/106297-policiais-do-batalhao-ambiental-salvam-159-animais-em-2017.html

Pin It

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

FACEBOOK

APOIADORES

Avina

CRT

Itapemirim

Juniclair

Wise
Scroll to top