Related »

Portal Globo.com – G1 – Em Roraima, 'bacalhau da Amazônia' recebe chip de identificação

on abril 3 | em Fauna na Mídia, FIQUE POR DENTRO | by | with No Comments

Dez pirarucus receberam a tecnologia que deve melhorar a produção local.
Chip é inserido debaixo das escamas do peixe reprodutor.

Emily Costa – Do G1 RR

Chips são colocados abaixo logo abaixo das escamas do peixe (Fot Emily Costa/ G1 RR)
Chips são colocados abaixo logo abaixo das escamas do peixe.
Foto: Emily Costa/ G1 RR
 
Leitor recebe informações do chip e informa qual o 'registro geral' do animal (Fot Emily Costa/ G1 RR)
Leitor recebe informações do chip e informa qual o ‘registro geral’ do animal.
Foto: Emily Costa/ G1 RR
 
Chips medem pouco mais de um centímetro e possuem um código de barras único (Fot Emily Costa/ G1 RR)
Chips medem pouco mais de um centímetro e possuem um código de barras único.
Foto: Emily Costa/ G1 RR

Dez pirarucus de Roraima receberam chips de identificação eletrônica nesta quarta-feira (2).

A tecnologia tem o objetivo de facilitar a reprodução, evitar a pesca predatória e a propagação de doenças. O chip mede pouco mais de um centímentro e é inserido debaixo das escamas do peixe reprodutor, conhecido como ‘bacalhau da Amazônia’.
O equipamento possui um número de identificação, semelhante a um registro geral, que é cadastrado e recebe dados de espécie, origem do animal, sexo, e em qual tanque o peixe ele está na psicultura. Para efetuar a identificação do chip, um leitor é utilizado.

Após a colocação do chip, basta que o produtor passe o equipamento sob o local onde o equipamento foi instalado no aninal e aguarde a numeração ser lida pelo leitor. Cada chip custa em média R$ 10 e o leitor pode ser adquirido por R$ 900.

Um dos principais objetivos da ação é aumentar a produção de alevinos, os filhotes de peixes, para evitar que os produtores roraimenses, ao invés de comprar animais fora do estado, invistam no fornecimento local, aumentem a produção e possam vender a carne de peixe por preços mais baixos e, assim, beneficiar os consumidores.

Os chips foram instalados por especialistas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Ministério da Pesca (MPA) e técnicos do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

De acordo com o pesquisador da Embrapa pesca e agricultura, Anderson Alves, o procedimento de chipagem deve ajudar os produtores de peixe a melhorar a produção e a organização dos animais. Segundo ele, o cadastramento das informações de cada pirarucu facilita a reprodução e dificulta a propagação de doenças.

“Como a tecnologia só é instalado em animais reprodutores, a colocação do chip facilita a organização da psicultura. Se um produtor quer que os peixes se reproduzam, ele pode usar o leitor, consultar quais animais são aqueles e depois escolher qual o melhor par para se reproduzir”, disse acrescentando que os pares de reprodução não devem ser parentes, pois o acasalamento entre eles aumenta a probabilidade de os filhotes nascerem com deformidades.

Conhecido como o ‘bacalhau da Amazônia’, por conter propriedades semelhantes ao típico peixe da Noruega, o pirarucu chega a atingir 2 metros e 250 kg e é um dos peixes mais nobres da região Norte.
 
Por conta disso, desde 2009 começou a receber chips nas chamadas ‘matrizes’, peixes criados para a reprodução, por meio do Projeto Pirarucu da Amazônia.
Pin It

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

Scroll to top