Related »

Zoo de SP consegue reproduzir em cativeiro espécie rara de Arara-Azul

on abril 23 | em Fauna na Mídia, FIQUE POR DENTRO | by | with No Comments

É a primeira cria em cativeiro na América Latina de uma Arara-Azul-de-Lear.
Filhote ainda está sob cuidados e só será exibido quando for seguro.

23/04/2015 – 13h59 Do G1 São Paulo

Foto: Reprodução/TV Globo

Foto: Reprodução/TV Globo

 

Exemplar adulto da Arara-Azul-de-Lear. Foto: Reprodução/TV Globo

Exemplar adulto da Arara-Azul-de-Lear.
Foto: Reprodução/TV Globo

Uma Arara-Azul-de-Lear do Zoológico de São Paulo é a primeira a nascer em cativeiro na América Latina. Em risco de extinção, a ave foi mostrada nesta quinta-feira (23) pelo SPTV.

O filhote completou dez dias nesta quinta e ainda é só pele e olho. A espécie é diferente da mostrada no filme Rio, no qual a protagonista é uma Ararinha-Azul. Mas também é nativa do sertão baiano. Seu sexo só será descoberto daqui a dois meses, com exame de sangue.

O Zoológico de São Paulo até hoje só exibiu uma das quatro espécies de arara azul: a Arara-Azul-Grande, que é nativa do Pantanal. Os 12 exemplares de Arara-Azul-de-Lear que estão no Zoológico de São Paulo estão isolados, dado o risco de extinção – só existem 1300 exemplares vivos da Arara-Azul-de-Lear no mundo.

Todas as aves são adultas e foram apreendidas com traficantes de animais.

Com um comportamento tímido e assustado na natureza, a Arara-Azul se reproduz entre setembro e abril, época em que o casal sai do bando para se acasalar. São colocados dois ovos em média, em pequenas tocas. No sertão da Bahia elas ficam em paredes de pedras, mas no cativeiro, os animais tiveram que se adaptar a ninhos de madeira.

Os pais da recém-nascida estão isolados. Podem ser vistos só por um buraquinho, para não sofrerem estresse na época de acasalamento. Eles ficam longe do ‘bebê’ para não machucarem a ave , fruto de um ‘namoro’ de longa.

“O sucesso vem da empatia do casal”, diz a bióloga Fernanda Junqueira Vaz Guida. “Quando entraram no zoo eles eram muito jovens. Só com 10 anos começaram a desenvolver testículo e ovário e só foram dar cria depois de mais de três anos.”

O filhote está recebendo todos os cuidados. A papinha pra crescer é dada a cada três horas: ração e um pingo de azeite extravirgem, para compensar a gordura dos coquinhos que ela comeria no nordeste.

O animal ainda não está em exibição e só será mostrado para o público quando não houver nenhum risco.

ASSISTA ao vídeo.

CLIQUE AQUI para notícia original.

Pin It

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »

FACEBOOK

APOIADORES

Avina

CRT

Itapemirim

Juniclair

Wise
Scroll to top