Ibama vai monitorar tráfico de animais e plantas durante a Rio 2016

Principais aeroportos e o porto do Rio de Janeiro terão vigilância reforçada para evitar entrada e saída de espécies exóticas.

02/08/2016 – 14h18
Portal Brasil, com informações do Ibama

 

Além dos animais e plantas, ação do Ibama foca no porte de itens que usem fragmentos de animais nativos protegidos, como colares de ossos e quadros de borboletas. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Além dos animais e plantas, ação do Ibama foca no porte de itens que usem fragmentos de animais nativos protegidos, como colares de ossos e quadros de borboletas.
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) começou a monitorar os cerca de dois mil embarques e desembarques de voos internacionais previstos para ocorrer durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. com o aumento na fiscalização nos principais aeroportos durante o evento, o órgão quer evitar a entrada e saída de plantas, animais exóticos ou substâncias que ameacem o meio ambiente.

No alvo principal do Ibama estão o tráfico de animais silvestres, o transporte de exemplares da flora brasileira, a exportação de componentes do patrimônio genético e a circulação de substâncias químicas controladas pelo Instituto, além do porte de artefatos que usam fragmentos de animais nativos protegidos, como cocares indígenas, quadros de borboletas e adornos com penas, ossos e dentes, entre outros.

A operação prosseguirá até o fim dos Jogos Paralímpicos, em setembro.

As ações estão centradas nos aeroportos de Guarulhos, Viracopos, Manaus, Galeão e outros estratégicos, além do Porto do Rio. São esses os terminais por onde circulará a maior parte dos cerca de um milhão de viajantes previstos para o período dos Jogos.

“Em um evento desse porte, com pessoas de 205 países, precisamos evitar prejuízos ao meio ambiente. Entre eles, destacam-se os danos à nossa fauna e flora, como a introdução de uma espécie exótica que possa ameaçar os ecossistemas e as espécies nativas ou o tráfico da biodiversidade brasileira para uso em pesquisas ou mesmo para o desenvolvimento de produtos no exterior”, diz o coordenador-geral de Fiscalização Ambiental do Ibama, Jair Schmitt.

 

CLIQUE AQUI  para notícia original.

 

Este post tem um comentário

  1. Lottie

    Stellar work there evrenoye. I’ll keep on reading.

Deixe uma resposta