Já em casa, estudante picado por naja será multado e investigado por tráfico de animais

Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, de 22 anos, foi picado por uma cobra naja / Imagem: Arquivo Pessoal
Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, de 22 anos, foi picado por uma cobra naja / Imagem: Arquivo Pessoal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O estudante de veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, de 22 anos, recebeu alta do Hospital Maria Auxiliadora, no Gama (DF), nesta segunda-feira (13), e já está em casa.

O jovem foi picado por uma cobra naja na última terça-feira (07) e ainda está se recuperando.“[Ele está] Meio fraco e desestabilizado, mas fora de perigo e vai continuar se cuidando e tomando os medicamentos em casa”, disse um familiar de Lehmkul.

A expectativa dos médicos era que Pedro recebesse alta apenas apenas na quarta-feira (15). Porém, a família pediu que a liberação fosse antecipada. O jovem chegou a ficar em coma na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O soro antiofídico necessário para o tratamento do veneno veio do Instituto Butantan, em São Paulo. As últimas doses do estoque foram encaminhadas exclusivamente para o estudante. Os pais do jovem chegaram a importar mais 10 unidades do soro dos Estados Unidos e encaminharam ao hospital. Como nem todas foram usadas, a família doou o material para o Instituto Butantan.

Caso é tratado como tráfico de animais

Pedro vai prestar depoimento na 14ª Delegacia de Polícia, localizada no Gama. O caso é tratado como tráfico de animais. Como o estudante não tem autorização para criar o animal, ele será multado em R$ 2 mil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

A naja pode custar até  R$ 20 mil no comércio ilegal, segundo a Polícia Civil do Distrito Federal. A serpente foi abandonada dentro de uma caixa plástica atrás de um shopping, que fica localizado no Setor de Clubes Sul.

O delegado Jonatas Silva, da 14ª Delegacia de Polícia, do Gama, informou que em operação de cumprimento de mandado de busca e apreensão na manhã do último sábado (11), os agentes localizaram e apreenderam mais uma cobra do estudante. No total, são 18 serpentes, já que outras 16 já haviam sido localizadas em uma fazenda.

O animal estava escondido em um apartamento no Guará 2, onde também foram localizados diversos ratos que seriam criados para servir de alimento à cobra. Segundo o delegado, os animais teriam sido deixados no apartamento pelo amigo de Pedro Henrique. O imóvel alvo das buscas estava desocupado e sob a responsabilidade de um servidor do Poder Judiciário, que foi conduzido para delegacia.

A ação foi batizada de Operação Snake. No local, havia um aviso na caixa da cobra com a frase: “Não mexa, não abra, não troque de lugar, não trisque, não esbarre. Acidentes acontecem, por isso, mantenha distância”. A espécie, uma jiboia arco-íris, é autorizada em território nacional.

(Fonte: Uol)

Foto da naja que picou o estudante

Deixe uma resposta